Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | País INVESTIGAÇÃO

Seis brasileiros são presos por suspeita de envolvimento em chacina no Paraguai

Homens estavam em sobrado na cidade vizinha de onde aconteceu o crime

Por José Maria Tomazela/Estadão Conteúdo/Estadão Conteúdo
Publicado em: 11.10.2021 às 15:44 Última atualização: 11.10.2021 às 15:51

Seis brasileiros suspeitos de envolvimento no crime que aconteceu em Pedro Juan Caballero, na fronteira do Paraguai com o Brasil, foram presos na manhã desta segunda-feira (11) pela polícia paraguaia. No atentado, ocorrido no último sábado (9), quatro pessoas foram mortas e outras três ficaram feridas.

No momento em que a policia chegou até os homens, eles estavam em um sobrado, na localidade de Cerro Corá, vizinha de Pedro Juan. No local os policiais apreenderam três carros, celulares, jóias e porções de maconha. Segundo a investigação, eles teriam abandonado e queimado uma caminhonete semelhante à que foi usada no ataque de sábado.

Os suspeitos foram identificados como sendo Juares Alves da Silva, Hywulysson Foresto, Luis Fernando Armando Simões, Gabriel Veiga de Sousa, Farley José Cisto da Silva Carrijo e Douglas Ribeiro Gomes, mas as identidades ainda estão sendo confirmadas com o auxílio da polícia brasileira. O Ministério Público e a polícia paraguaia seguem investigando a relação dos suspeitos com a chacina.

Chacina

O ataque aconteceu no bairro General Diaz, em Pedro Juan Caballero, a cinco quadras da fronteira com o Brasil. As vítimas saíram de uma festa e estavam entrando em uma caminhonete Blazer quando foram atacadas. Tiros de fuzil e pistola atingiram as brasileiras Kaline Reinoso de Oliveira, de 22 anos, Rhamye Jamilly Borges, de 18, e a paraguaia Haylle Carolina Acevedo Yunis, de 21, filha do governador do departamento de Amambay, Ronald Acevedo. As três jovens eram estudantes de medicina.

Também foi morto Osmar Vicente Alvarez Grance, de 32 anos, alvo principal do ataque, de acordo com o que vem apontando a investigação. Ele teria ligações com o narcotráfico e tinha desavenças com a facção brasileira Primeiro Comando da Capital (PCC).

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.