Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Gramado ENTREVISTAS

Mais de 27 mil residências da região serão visitadas pelo IBGE

Censo tem o objetivo de descobrir a realidade brasileira e serve de base para políticas públicas

Por Mônica Pereira
Publicado em: 05.08.2022 às 03:00 Última atualização: 05.08.2022 às 09:20

O censo, pesquisa para saber quem são e como vivem os brasileiros, começou. Adiado em 2020, por causa da pandemia, desde a segunda-feira, dia 1º, recenseadores estão nas ruas e passarão em mais de 45 mil endereços na região, sendo cerca de 22 mil em Gramado e 23 mil em Canela, nas áreas urbanas e rurais.

Todos os domicílios serão visitados pelos recenseadores
Todos os domicílios serão visitados pelos recenseadores Foto: fotos Mônica Pereira/GES-ESPECIAL
Conforme estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), desses endereços, 27 mil são residências, onde serão feitas as entrevistas. Para este trabalho, há, atualmente, 13 recenseadores em cada município. O número está bem abaixo da expectativa, já que são, ao todo, 77 vagas.

O coordenador censitário de Subárea da agência do IBGE em Canela, José Roberto de Santana Gomes, destaca que um novo processo seletivo aconteceu durante esta semana para preencher os postos disponíveis e que mais podem ser abertos, de acordo com a necessidade.

A expectativa é que a coleta dos dados esteja finalizada em outubro, contudo, devido à falta de pessoal, pode ser estendida por mais um período.

Raissa Govoni, de 18 anos, é uma das recenseadoras de Gramado. A jovem decidiu participar do processo seletivo após sair do emprego, pela possibilidade de uma renda com o trabalho temporário.

Uma das casas visitadas foi a da Maria de Oliveira, de 64 anos, que auxiliou com os dados necessários. "Foi bem rapidinho", conta. O cartunista Volnei Rodrigues, de 66 anos, também tirou alguns minutos do dia para responder as perguntas.

 

Questionários

Em 2022, são dois tipos de questionário: o básico, com 26 quesitos, que pode ser respondido em torno de cinco minutos, e o questionário ampliado, com 77 perguntas, que vai ser respondido por cerca de 10% dos domicílios, escolhidos de maneira aleatória, e leva cerca de 16 minutos.

Com o questionário básico, será possível conhecer as características das casas brasileiras, informações sobre os moradores, identificação étnico-racial, registro civil, educação, rendimento, mortalidade. Já o questionário da amostra, além dos blocos contidos no questionário básico, investiga também trabalho, nupcialidade, núcleo familiar, fecundidade, religião ou culto, pessoas com deficiência, migração interna e internacional, deslocamento para estudo ou trabalho e autismo.

O IBGE solicita os dados da pessoa que prestou as informações, como telefone e e-mail. Qualquer pessoa, acima de 12 anos e capaz de fornecer as informações, pode responder ao recenseador por todos os demais moradores do domicílio. Ou seja, apenas um responderá por todos os residentes.

Inicia coleta de dados para o Censo do IBGE
Inicia coleta de dados para o Censo do IBGE Foto: Mônica Pereira/GES-ESPECIAL

Dificuldades

Uma das dificuldades da coleta apontada por José é em condomínios e prédios, que barram a entrada dos recenseadores. “Mesmo confirmando a identidade é bem complicado, uma das pedras no nosso sapato”, explica. “Estamos fazendo um processo de sensibilização com as administradoras, zeladores e porteiros sobre a importância da operação”, descreve.

“É importante que todo mundo participe, dedicar apenas alguns minutos a cada dez anos. A pesquisa está totalmente ligada com a parte de planejamento das cidades, políticas públicas. Os dados coletados agora vão servir de base para os gestores pelos próximos dez anos”, pondera o coordenador.

Mais visitas podem ser feitas

 José Roberto
José Roberto Foto: Mônica Pereira/GES-ESPECIAL
O coordenador censitário comenta que mais de uma visita de agentes do IBGE pode ser feita durante o período da pesquisa. Supervisores, por exemplo, confirmam se todas as informações estão corretas, se nenhuma residência ficou sem responder, entre outros. “Essa parte da supervisão é justamente para garantir a qualidade dos dados. Fora dessa supervisão, tem uma outra pesquisa que mede o nível de qualidade do censo, que ocorre ao mesmo tempo, a pesquisa de pós-enumeração. Um mesmo domicílio pode receber até quatro visitas”, diz.

Dados estatísticos

Este é o primeiro censo totalmente digital, da coleta à transmissão, acompanhamento, armazenamento e processamento dos dados. “As informações estão totalmente protegidas”, garante José. Outro ponto frisado pelo coordenador é que as pessoas sejam sinceras nas respostas e ressalta que os resultados são totalmente para fins estatísticos.

“É proibido por lei que sejam utilizados para outros meios. Os dados são públicos desde que não identifiquem o autor da resposta”, aponta.

Além da coleta presencial e do autopreenchimento pela Internet, será possível responder ao censo também pelo telefone. De qualquer forma, é preciso que o recenseador visite o domicílio para captar a coordenada e fazer o contato com o morador ao menos uma vez.

Os recenseadores estarão sempre uniformizados, com o colete do IBGE, boné do censo, crachá de identificação e o dispositivo móvel de coleta. É possível confirmar a identidade do agente no site respondendo.ibge. gov.br ou pelo telefone 0800 721 8181.

Para realizar a confirmação, o cidadão deve fornecer o nome, matrícula ou CPF do recenseador.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.