Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) estão protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Emílio Leobet, 1559, sala 21 - Bairro Avenida Central - Gramado/RS - CEP: 95670-000
Fones: (54) 3286.1666 - Fax: (54) 3286.4015

PUBLICIDADE
BAH!rulho
Lançamento

Leopoldenses da Juna lançam o single Don't Be Like Them

Novo trabalho antecipa a sonoridade do disco que a banda está gravando
12/09/2018 15:55 12/09/2018 15:58

Foto por: Divulgação
Descrição da foto: Juna deve lançar o álbum Primavera Blue em novembro
Dream pop, shoegaze e post-punk inglês são algumas das referências dos leopoldenses da Juna. Formada em 2016, no embalo da onda psicodélica de grupos como Tame Impala, Gunns e MGMT, a banda passou por algumas mudanças de formação e de direção musical até lançar o seu primeiro EP, Marina Goes To Moon (2017), que saiu com o selo da Lezma Records. O músico e poeta leopoldense Everton Cidade descreveu a banda: "Juna é simples como os detalhes perfeitos ou as coisas boas ao coração. É um beijo sexy num abraço contemplativo de carinho." E quando o Cidade fala, a gente para e escuta.

Mas o lance é que a banda acabou de lançar um novo single, que na verdade são duas músicas: Don’t Be Like Them e Artificial Paradises. Formada por David Araújo (bateria), Iv (vocal), Marcelo Ajalla (baixo) e Thomas Almeida (guitarra e sintetizadores), a Juna prepara seu primeiro disco, que irá se chamar Primavera Blue e deve ser lançado em novembro. Don’t Be Like Them e Artificial Paradises antecipam a sonoridade que deve embalar as faixas de Primavera Blue.

"Desde o primeiro trabalho a banda se autoproduz, mesmo que de forma amadora e com equipamentos baratos consegue atingir uma sonoridade satisfatória e de certa forma até padronizada. Essa é a proposta que vamos trazer para o Primavera Blue: bastante uso de guitarra e as possibilidades de processá-la podendo chegar em um timbre totalmente único", destaca Thomas Almeida.

"Também usamos um artifício muito explorado nos anos 90 que são os loopings de bateria. Outro ponto presente na sonoridade da banda é o uso de efeitos na voz, como modulações, reverb e delay que os técnicos de som mais sisudos preferem não usar. E a principal razão pela qual a banda se autoproduz é pela liberdade de poder experimentar (e errar em alguns casos) as possibilidades que a produção pode oferecer. Toda produção do álbum tem sido feita nos quartos e garagens dos integrantes", aponta o músico. O disco deve ser lançado de forma independente. Se liga aí:


Jornal de Gramado

BAH!rulho

por André Heck
andre.heck@gruposinos.com.br

Rock, pop, alternativo, hip hop... enfim, música. Essa é a proposta do Bah!rulho, editado pelo jornalista André Heck. Um apanhado geral do que rola nos palcos e discos mundo afora, com informação e opinião, tudo em volume muito alto.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS